POR JOSÉ RIBAMAR BESSA FREIRE

O rio fala, a floresta fala e os índios falam através das fotos que o conde italiano Ermanno Stradelli (1852-1926) fez na Amazônia, no século XIX. Essas vozes serão ouvidas em São Paulo, a partir desta quarta-feira, 10 de abril, quando depois da abertura da exposição organizada pelo Instituto Italiano de Cultura no Memorial da América Latina, estreará o filme "O filho da cobra" do cineasta italiano Andreas Palladino, seguido de mesa-redonda com pesquisadores italianos e brasileiros. A exposição fica no Pavilhão da Criatividade, até o dia 20 de maio e bem que merecia ser levada depois a Manaus, junto com o filme, para ser apreciada pelos amazonenses.

Foi justamente lá, na periferia de Manaus, que Stradelli morreu, solitário e pobre, num casebre improvisado em leprosário. Foi enterrado no cemitério de Paricatuba, em 24 de março de 1926. Ele nasceu rico, num castelo na Itália, viajou para o Amazonas onde viveu mais de 43 anos. Com recursos próprios, percorreu florestas, rios e igarapés, aprendeu a falar o Nheengatu e se apaixonou pelas histórias que os índios contavam. Coletou e registrou mitos. No final, contraiu lepra. Com o corpo deformado pelas chagas, foi enxotado de hotéis, de pensões e até mesmo de hospitais, segundo seu biógrafo, Câmara Cascudo, que destaca o legado de imagens e narrativas registradas.

Leia mais

O filho da cobra

Tive a sorte, em 2008, de visitar o Colégio Romano onde Stradelli deu palestras sobre o Amazonas. Guiado pelo documentarista Andrea Palladino, naquela ocasião consultamos nos arquivos da Sociedade Geográfica Italiana, em Roma, mais de 80 fotos das expedições do Conde pela Amazônia entre 1887 e 1889, algumas amareladas pelo tempo, mostrando rios, paisagens, índios, barcos, malocas, Manaus e suas ruas, avenidas, praças, a catedral, o porto. Numa delas, com uma legenda bem humorada feita pelo Conde – Como se acende um fósforo – aparece o botânico Barbosa Rodrigues, vestido de paletó e gravata, no meio do mato, entre os índios Waimiri.

Para essa exposição "A Amazônia de Stradelli – rios, povos e lendas sob o olhar de um explorador italiano" foram selecionadas 64 fotografias, mapas e cartas originais do Conde, que viveu com os índios e registrou o que viu. Ele entrava nas aldeias com sua farmácia portátil, equipamentos topográficos, caixas para recolher material ornitológico e entomológico, máquina fotográfica, microscópio e outros aparelhos que, inicialmente, assustavam os índios. Ele, então, levava cada índio para ver os instrumentos, tocar neles e verificar como funcionavam. Dessa forma, o tuxaua Mandu descobriu que “a máquina fotográfica servia também para matar formigas”, quando viu os ácidos fixadores caídos em cima de um formigueiro agirem como um poderoso formicida.

- Sou fotógrafo e minha primeira obrigação é para com o público pagante. Assim é o mundo" – escreveu ele para a Sociedade Geográfica Italiana no dia 4 de março de 1889, explicando que gostaria de ter escrito um relatório sobre o Purus, mas não havia sido possível. E acrescentou: – Como, por enquanto, sou fotógrafo, ao invés de relatórios, envio-lhes fotografias – conforme carta publicada por Teresa Isenburg, em seu livro "Naturalistas italianos no Brasil.

Mas quem começou a se interessar pela vida do conde Stradelli foi Câmara Cascudo, em 1930, quando viu três cadernos volumosos com milhares de verbetes escritos à mão. Era o dicionário Nheengatu-Português, Português-Nheengatu. Impressionado com a obra e com a vida trágica do autor, Cascudo decidiu correr atrás de mais dados. Numa carta ao então governador do Amazonas, Álvaro Maia, Câmara Cascudo se queixa da cortina de silêncio e da inexistência de documentos. Sobre o seu biografado, ele encontrou apenas dois artigos publicados, um no Diário Oficial do Amazonas, e outro em O Jornal de Manaus, além de breves notas em quatro livros.

-  Quase nada se sabia dele. Morrera em 1926 e seu nome se diluíra na sombra, como uma inutilidade. Raras citações. Raríssimos informadores. Percentagem altíssima em erros, enganos, omissões – escreve Cascudo, que não encontrando documentos fidedignos, resolveu criá-los. Escreveu oitenta cartas a familiares e amigos de Stradelli: professores, jornalistas, viajantes, padres, bispos, embaixadores.

Muita gente respondeu com depoimentos, entre os quais o padre jesuíta Alfonso Stradelli, o caçula, que lembra as cartas mensais enviadas pelo irmão mais velho à sua mãe, com notícias detalhadas das viagens pela Amazônia e histórias contadas pelos índios. Embora o arquivo particular da família não tivesse sido consultado, o material coletado permitiu traçar um perfil do personagem. A infância de Stradelli no castelo de Borgotaro – residência senhorial da família, os estudos na Universidade de Pisa, os primeiros versos, o encantamento com os índios, as rotas e a cronologia das viagens pelos rios da Amazônia – tudo isso ganha contorno mais nítido no livro de Cascudo.

Memória do Conde

Concluída a biografia, seu autor convenceu o Governo do Estado do Amazonas a editá-la em 1936, com o sugestivo título – Em Memória de Stradelli. Esse livro teve o cuidado de revelar como é que o Conde fazia quando queria conhecer algum aspecto da vida da Amazônia: o trabalho de campo. Ele mergulhava na realidade e ia ver de perto, conversar com as pessoas, anotando e fotografando tudo.

Stradelli intuiu que o pesquisador decidido a conhecer uma sociedade que lhe é estranha devia partir do interior dela, impregnando-se da mentalidade de seus integrantes e esforçando-se para pensar na língua deles. Para entender um ritual onde rolava o caxiri, Stradelli deixou que os índios pintassem o seu corpo e dançou convictamente com eles na maloca de Miriti-Cachoeira, “bebendo repetidas cuias de capy entontecedor”. Aprendeu as línguas indígenas e viveu com os Tukano e Tariana, observando e registrando suas tradições. Com eles, comeu paca moqueada, beiju, quinhapira e “molhou os lábios no molho estonteante das pimentas”.

O resultado foi a publicação de textos dispersos por jornais e revistas especializadas da Itália e do Brasil, um poema sobre Ajuricaba, um vocabulário em língua Tukano, o dicionário clássico de Nheengatu, mapas geográficos do Amazonas, e versões variadas de mitos indígenas. Stradelli revelou que Jurupari era um herói civilizador, criador dos usos, leis e preceitos transmitidos pela tradição oral, retirando dele a imagem do diabo criada por missionários.

O filme de Andrea Palladino, que será lançado com a presença do diretor, mistura documentário e ficção para contar, em 50 minutos, a história de Stradelli, o filho da Cobra Grande, que ainda hoje, mais de cem anos depois, continua sendo lembrado pelos xamãs do Alto Rio Negro. Descreve como a única empresa de navegação que fazia a ligação com a Europa, em 1923, recusa a levar o Conde leproso para a Itália, o que o obriga a se internar no leprosário do Umirizal, onde conhece Nininha, filha de ex-escravos. É ela que, no documentário, narra as histórias de Stradelli que lhe ensina noções básicas de Nheengatu, a primeira língua dos amazonenses. Para isso, o documentário se baseia nos textos dos diários de Stradelli.

Muitas dessas questões serão discutidas nesta quinta-feira, 11 de abril, no Memorial da América Latina, em São Paulo, durante a Jornada de Estudos: Ermano Stradelli na Amazônia que acontecerá no Auditório do Anexo dos Congressistas, com a presença do Cônsul Geral da Itália, Mauro Marsili, do diretor do Istituto Italiano di Cultura Attilio De Gasperis e do presidente da Società Geografica Italiana, Franco Salvatori.

Os organizadores convidaram especialistas de peso como Sérgio Medeiros, da Universidade Federal de Santa Catarina, que tem várias publicações sobre o tema e vai falar sobre "O mundo das imagens na Lenda de Jurupari de Stradelli". Entre os pesquisadores da Itália estão Nadia Fusco, diretora do Acervo Fotográfico da Sociedade Geográfica Italiana, Ettore Finazzi Agró, da Universidade La Sapienza de Roma e Aniello Angelo Avella que estarão conversando com pesquisadores do Amazonas, entre os quais Antônio Loureiro, presidente do Instituto Geográfico Histórico do Amazonas, Selda Vale da Costa e este locutor que vos fala.

Jornada de Estudos: Ermanno Stradelli na Amazônia

11 de abril 2013,  no Auditório dos Anexo dos Congressistas, Memorial da América Latina

Participarão ilustres estudiosos e pesquisadores das principais universidades brasileiras e italianas que, sob diferentes perspectivas – histórico-geográfica, literária, antropológica – propiciarão ao público conhecer a personalidade de Stradelli, extraordinário viajante que muito contribuiu com a etnografia da Amazônia e que pode ser considerado um verdadeiro mediador cultural entre as civilizações indígenas e o mundo dos “civilizados”. O encontro é aberto ao público e não necessita de inscrição prévia; serão fornecidos certificados de presença. Como parte da programação, haverá a apresentação do filme Ermanno Stradelli. O filho da cobra grande (2013) do cineasta italiano Andrea Palladino.

Programa

10h00

Prof. Dr. João Batista de Andrade, Presidente da Fundação Memorial
Min. Mauro Marsili, Consûl Geral da Itália
Prof. Dr. Attilio De Gasperis, Diretor do Istituto Italiano di Cultura de São Paulo
Prof. Dr. Franco Salvatori, Presidente da Società Geografica Italiana

10h30

Prof.ª Dra. Nadia Fusco (Diretora do Acervo Fotográfico da Sociedade Geográfica Italiana) Gli esploratori italini nel mondo alla fine dell’ottocento
Prof. Dr. Antônio Loureiro (Presidente do Instituto Geográfico Histórico do Amazonas; ocupa a Cadeira Stradelli na Academia Amazonense das Letras) As andanças de Ermanno Stradelli
Prof. Dr. Ettore Finazzi Agrò (Università La Sapienza di Roma) Os relatos de viagens de Ermanno Stradelli
Prof.ª Dra. Selda Vale da Costa (Universidade Federal do Amazonas) A fotografia de Ermanno Stradelli

Debate

15h30

Prof.ª Dra. Aurora Foroni Bernardini (USP) Ermanno Stradelli: vida, lendas e viagens
Prof. Dr. Aniello Angelo Avella (UERJ – Università di Tor Vergata) Stradelli e os italianos na Amazônia da época da borracha
Prof. Dr. José Ribamar Bessa (UNI-Rio, UERJ ) Stradelli, o nheengatu e a literatura da floresta
Prof. Dr. Sergio Medeiros (UFSC) O mundo das imagens na Lenda de Jurupari de Stradelli
Entrevista com o Dr. Andrea Palladino (Diretor do filme Ermanno Stradelli. O filho da cobra grande – 2013)

Debate

18h00

Apresentação do filme Ermanno Stradelli. O filho da cobra grande (52’), Sala Video do Pavilhão da Criatividade.