O menor H.A.M tem um irmão de quatro anos de idade chamado Kelvin. A semelhança do nome do caçula da família é um dos motivos que fez com que o integrante da torcida Gaviões da Fiel assumisse a autoria do disparo do foguete que atingiu e matou o torcedor boliviano Kevin Espada, de 14 anos, na última quarta-feira, em Oruru, na Bolívia, durante a partida entre Corinthians e San Jose.

“Ele diz que sempre que chamar o irmão vai lembrar do garoto que morreu. Ele fala que vai carregar esta culpa para o resto da vida”, disse o advogado da torcida uniformizada, Ricardo Cabral. Em entrevista ao programa Primeiro Tempo, do canal Bandsports, Ele confirmou ainda que pretende levar H.A.M à Vara da Infância e Adolescência de Guarulhos, às 15h00 desta segunda-feira.