Blog do Nelson Pretto

SBPC na Acre: política e festa do conhecimentos e saberes

Acontece de hoje até domingo, aqui em Rio Branco, Aqui no Acre, a 66ª reunião anual da SBPC sob o lema “Ciência e Tecnologia em uma Amazônia sem Fronteiras”. Em debate os principais temas da ciência brasileira, recheado, como não pode deixar de ser, pelo amplo debate sobre as políticas públicas para a área. Políticas essas que sofrem cotidianamente com projetos e programas que são descontinuados em nome de outros novidadeiros que são periodicamente lançados.
O evento tem transmissão on line pela nova Rádio SBPC Web.


A Ciência no banco de reservas

Com muito alarde foi anunciado que na abertura da Copa do Mundo haveria um efeito- surpresa ligado ao desenvolvimento da ciência brasileira. Por alguma razão, ainda não explicada, a cena do chute de um paraplégico vestindo um exoesqueleto foi praticamente reduzida a segundos daquela sofrível cerimonia. Além de muitas críticas, o tema trouxe à baila a necessidade de, a partir das eleições para presidente e governadores, provocarmos os candidatos para que as campanhas apresentem propostas concretas para o desenvolvimento da ciência e tecnologia em nosso Estado e país, com uma séria política de divulgação científica.


Cinema, patrimônio e educação: mostra de Ouro Preto

Acontece até a próxima segunda, dia 2 de junho, a 9ª Mostra de Cinema de Ouro Preto, na bela cidade mineira, histórica e cercada de exuberantes montanhas. (lembra do tempo que colocávamos uns plásticos no vidro dos carros? Por aqui tinha um que eu amava e dizia: olhe bem as montanhas)   O CINEOP deste …


UFBA: para voltar a brilhar

A UFBA precisa recuperar o brilho. No auge de sua juventude, ela abrigou e provocou a cidade. Ali, vimos a cultura se constituir na mola propulsora das artes, da saúde, da pesquisa e do desenvolvimento científico e tecnológico. Era uma UFBA revolucionária, todos dizem.

Há bastante tempo, porém, a UFBA abdicou do seu protagonismo político e cultural nos debates contemporâneos, embora vários projetos vitoriosos de extensão e de pesquisa alcancem um sem número de pessoas.


UFBA em diálogo com a sociedade

A Universidade Federal da Bahia, criada em 1946 por Edgard Santos, reitor magnífico que comandou a universidade a ferro e fogo durante 16 anos, foi, nos seus primeiros anos, uma instituição jovem e revolucionária. Antônio Risério, em seu livro sobre Edgard Santos, afirma que a Bahia, com ele, foi reinventada. E foi.
Como está a universidade hoje? Qual o seu papel na sociedade baiana, nacional e internacional?


 

Terra Magazine por Bob Fernandes