POR MARINA DIAS, DIRETO DE SANTOS
 
O governador de Pernambuco e presidente Nacional do PSB, Eduardo Campos, ainda não assume sua candidatura à Presidência da República em 2014. Em discurso durante o 57o Congresso Paulista de Municípios, nesta sexta-feira (5), porém, fez discurso com tom eleitoral, deu prioridade à discussão sobre economia nacional e frisou que o país precisa de "uma nova agenda" para os próximos anos. Para ele, a crise que atingiu os EUA e a Europa "está chegando ao Brasil".
 
"Precisamos pensar numa nova agenda. A crise que sacudiu os Estados Unidos da América, na situação que nós vimos, e que fez o continente europeu, de bem-estar social, enfrentar uma taxa de desemprego de 25%, está chegando ao Brasil", declarou o pernambucano. Campos chegou ao centro de convenções acompanhado do prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette (PSB), que o apresentou aos prefeitos e vereadores da plateia como "um novo nome que surge com força num novo Brasil".
 
Campos afirmou que o país conseguiu estabilidade econômica e democrática nos últimos trinta anos, no entanto, fez questão de dizer que, neste momento, mudanças são necessárias. Mesmo com esse discurso, o governador diz que a eleição de 2014 "só será discutida em 2014". Segundo ele, o PSB está fazendo uma "discussão política" que não pode ser levada como "discussão eleitoral".
 
"O debate não pode parar. Conquistamos a democracia não para constranger o debate político. Meu partido tem uma larga história de alianças políticas e capacidade de reunir pessoas. Não podemos interditar o debate político nesse país, constrangidos por muitos que entendem que qualquer debate político é discutir eleição", disse. "Temos clareza que 14 nós discutiremos em 14. Antes disso, precisamos ganhar 2013, porque 2011 foi pior do que 2010, 2012 foi pior do que 2011, e nós queremos que 2013 seja melhor, para que 2014 possa ser melhor ainda com a vitória do povo", completou o governador, bastante aplaudido. 
 
Após palestra de pouco mais de meia hora, Campos concedeu uma entrevista coletiva sentado em frente a um banner com a frase "Eduardo Campos: Um novo caminho para um novo Brasil", e foi questionado se as pessoas que, segundo ele, interditam o debate político seriam o ex-presidente Lula, a presidente Dilma Rousseff e o PT. "Não estou me referindo ao presidente Lula e à presidenta Dilma. Quando preciso me referir a qualquer quadro político, faço isso com clareza. Não uso de subterfúgios".
 
O governador afirmou que o PSB "nunca foi nem nunca será sublegenda de ninguém". "Não precisamos pedir licença a outra agremiação partidária, seja ela qual for, para tomar uma decisão. [...] Então, vamos tomar a decisão que cabe ao partido tomar [se haverá candidato próprio em 2014] no tempo que o partido entende que deve tomar".
 
Campanha antecipada
 
Na entrada o evento, realizado na cidade de Santos (SP), Eduardo Campos era esperado por centanas de pessoas, que vestiam camisetas do PSB e carregavam faixas e bandeiras com o nome do do governador. Em uma delas, do PSB de Águas de Lindóia, Campos era chamado de "futuro presidente". Um carro de som foi colocado no estacionamento do Mendes Convention Center, mas logo retirado do local. "Aqui não foi alugado para fazer comício público", disse um dos seguranças que pediam a saída do veículo.
 
 
A estrutura foi organizada pelo Diretório Estadual do PSB em São Paulo, presidido pelo deputado federal Márcio França. No entanto, dirigentes socialistas evitaram dizer que a "claque" era uma "campanha antecipada".
 
A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), por exemplo, afirmou que "Eduardo Campos ainda não se decidiu por esse projeto [ser candidato à Presidência em 2014]". Segundo ela, as bandeiras, camisetas e bandeiras, além dos gritos que diziam "Brasil para frente, Eduardo presidente"  são "uma forma de o partido se apresentar à sociedade".
 
Questionado por Terra Magazine sobre a recepção "acalorada" ser o início de uma campanha eleitoral antecipada, o governador limitou-se a dizer: "Gostei muito da recepção, claro, quem não gosta de uma recepção dessas?".