Terra Magazine

 

Sexta, 1 de setembro de 2006, 07h59 Atualizada às 10h54

Exclusivo: PF prende membros do PCC em POA

Bob Fernandes

Em ação deflagrada em Porto Alegre no início da manhã de sexta-feira (01), uma centena de homens da Polícia Federal prendeu 26 integrantes do PCC que se preparavam para um megaassalto a caixas-fortes do Banrisul e da Caixa Econômica à rua Caldas Júnior, próximo ao cais de Porto Alegre.

Leia também
» Assista à reportagem da prisão em Porto Alegre
» PF ataca o PCC em 10 Estados, prende integrantes e retoma bens e dinheiro
» PF prende homens que pretendiam assaltar banco no RS
» Informes alertam polícia no aniversário do PCC
» Eles venceram
» Veja galeria de fotos
» Opine aqui

Alguns dos presos da manhã de ontem participaram do assalto ao Banco Central em Fortaleza, a 5 de agosto de 2005. Então, através de um túnel de 80 metros foram roubados R$ 164,8 milhões. Com a ação de agora, a Polícia Federal prova a participação do PCC no assalto ao BC. Para executar o plano desta sexta, os integrantes da quadrilha escavaram um túnel que teria 85 metros e daria acesso aos dois bancos. Cerca de 50 metros já estavam escavados. Segundo a PF, dois túneis começaram a ser escavados, mas um deles não deu certo porque a terra estava dura.

Os membros da organização criminosa estavam morando em prédio no bairro Paternon, na rua Tobias Barretos, número 145 e alugaram também um prédio no centro da capital gaúcha, perto dos bancos, para cavar os túneis.

Cerca de 50 agentes de todo o Brasil estavam presentes na operação, e muitos deles eram do COT - Comando de Operações Táticas. Havia atiradores de elite no topo dos prédios. Junto com os presos, foram apreendidos chips de celular, máquina fotográfica e algum dinheiro.

A quadrilha vinha sendo monitorada desde o assalto em Fortaleza. O grupo age em todo o país e é especialista em roubos a bancos e empresas de segurança. Uma das suas características é, como no caso do Ceará, a escavação que dá acesso às caixas-fortes. O mesmo se passaria em Porto Alegre. A operação da polícia seria realizada daqui a quinze dias, mas foi adiantada devido ao estágio avançado do plano.

Marcola e Julinho Carambola, líderes do PCC presos em Presidente Bernardes, são oriundos de assaltos a banco (leia mais).

Dos R$ 164,8 mi, apenas cerca de R$ 20 mi foram recuperados. Vinte e três suspeitos foram acusados e boa parte libertada por decisão judicial. Uma semana depois do roubo do BC em Fortaleza, foram presos os irmãos José Elizomartes Fernandes e Demerval Fernandes, sócios da revendedora Brilhe Car, o empresário José Charles Machado de Moraes e o motorista Rogério Maciel, flagrados em Minas, a bordo de um caminhão-cegonha que levava 11 carros para São Paulo.

No dia 29 de setembro de 2005, três dos cinco presos confessaram participação no crime. Antônio Edimar Bezerra, 47, Davi de Araújo Pereira, 42, e Marcos de França, 29, confirmaram terem participado da escavação do túnel que permitiu a invasão da caixa-forte. Os outros foram presos são Flávio Augusto Mattioli, 37, e Marcos Ribeiro Suppi, 32, que disseram terem sido contratados para tirar o dinheiro do Ceará. Três dos acusados Marcos Ribeiro Suppi, Charles Machado de Morais e Deusimar Neves Queiroz conseguiram habeas-corpus na Justiça em junho deste ano.

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol