Terra Magazine

 

Quinta, 11 de outubro de 2007, 13h57

"Cansei" ainda não se cansou, diz D'Urso

Raphael Prado

O líder do Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros, Luiz Flávio Borges D'Urso, presidente da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ainda não se cansou. Ele justifica a ausência do "Cansei" em temas relevantes da atualidade - como o polêmico artigo de Luciano Huck na Folha de S.Paulo depois de sofrer um assalto ou o lançamento do filme "Tropa de Elite" - com o trabalho que estão desenvolvendo na "fase propositiva" do manifesto:

- Não é um movimento político-partidário que a tudo vai se manifestar, como se fosse uma entidade... - alega.

Veja também:
» Hebe se irrita com pergunta e Ivete se cala em ato
» D'Urso, do Cansei, agora diz que apóia o Cansamos
» Presidente da CUT fala sobre o 'Cansamos'
» Lembo: 'Cansei' é termo de dondocas enfadadas

D'Urso explica que o "Cansei" elegeu três áreas sobre as quais pretende trabalhar para apresentar propostas às três esferas de governo - federal, estadual e municipal -, a saber: Educação, Gestão Pública e Segurança Pública.

- As entidades da sociedade civil que já têm alguma coisa com relação a esses temas nós estamos colecionando, vai ser unificado e aí uma proposta do movimento sobre cada um desses temas será entregue.

Quando a campanha foi lançada, logo depois do acidente com o Airbus da TAM em Congonhas, no dia 17 de agosto, o movimento foi acusado de golpista inclusive por integrantes da OAB - como o presidente da seccional fluminense, Wadih Damous. Os organizadores então iniciaram uma verdadeira cruzada para tentar tirar essa imagem do movimento.

À época, numa coletiva, D'Urso chegou a anunciar o pedido de uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para explicar os verdadeiros objetivos do "Cansei". Agora, na "fase propositiva", D'Urso volta atrás:

- Oficialmente não foi pedida (a audiência) exatamente porque entendemos que é melhor ter o trabalho concluído e, aí sim, levar ao presidente Lula.

Leia a entrevista do presidente da OAB-SP e líder do Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros:

Terra Magazine - Tem bastante coisa acontecendo no Brasil nesse momento, especificamente sobre o caso da violência. O Luciano Huck criou polêmica com um artigo sobre um assalto que sofreu, "Tropa de Elite" discutindo a violência policial e trazendo consigo o debate sobre pirataria... E não vemos mais ações do "Cansei" sobre nenhum desses temas. Vocês se cansaram do "Cansei"?
Luiz Flávio Borges D'Urso - O "Cansei", que na verdade é o Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros está na fase propositiva. Três temas foram eleitos, sobre os quais nós estamos nos debruçando, estamos trabalhando: Educação, Gestão Pública e Segurança Pública. E as entidades da sociedade civil que já têm alguma coisa com relação a esses temas nós estamos colecionando, vai ser unificado e aí uma proposta do movimento sobre cada um desses temas será entregue às esferas de governo. E aí sim passaremos a acompanhar uma eventual implementação.

Estão sendo feitos estudos, então? Por isso que o movimento não tem feito manifestações públicas a respeito desses assuntos?
O movimento "Cansei" não é um movimento político-partidário que a tudo vai se manifestar, como se fosse uma entidade... não, a proposta não era essa. A proposta era exatamente acender essa contribuição que a sociedade precisa dar. E a partir de agora, uma vez eleitos os três focos dessa fase, sobre eles nós vamos nos debruçar e em cima já de muita coisa já construída.

E feitas as propostas elas serão apresentadas para quem?
Para as 3 esferas. Tanto federal, como estadual e municipal. Depende da competência, do tema.

A audiência entre o senhor e o presidente Lula foi marcada?
Para efeito da entrega dos temas, não. Porque nós entendemos que seria mais adequado entregar as propostas propriamente ditas.

Mas a audiência já foi pedida?
Foi pedida publicamente naquela etapa, onde nós entregaríamos as propostas, não o resultado do trabalho. O que nós queríamos fazer, esses temas sobre os quais nós iríamos trabalhar. Mas depois deliberamos que nem seria adequado pedir essa audiência oficialmente, coisa que não fizemos, só pedi publicamente. Mas depois oficialmente não foi pedida exatamente porque entendemos que é melhor ter o trabalho concluído e, aí sim, levar ao presidente Lula, ao governador Serra, ao prefeito Kassab, mas já o trabalho pronto.

Qual foi a razão, então, de pedir a audiência publicamente?
Eu expliquei à época. Diante daquela grande polêmica que foi criada, inclusive com a distorção de que o movimento era anti-Lula, eu pedi publicamente na coletiva que dei, uma audiência com o presidente Lula para ir a ele. Explicar quais eram os propósitos e o que o movimento estaria realizando.

Então o movimento está trabalhando? O "Cansei" ainda não se cansou?
Não... (risos)

 
Divulgação
Ao centro, o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D'Urso, lança o Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros, ao lado de outras lideranças do "Cansei"

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol