Terra Magazine

 

Quarta, 18 de março de 2009, 14h14 Atualizada às 15h00

Doação não me invalida na CPI, diz Jungmann

Marcela Rocha
Especial para Terra Magazine

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) é membro da CPI que investiga os supostos vazamentos cometidos pelo delegado Protógenes Queiróz, ontem indiciado pela Polícia Federal por quebra de sigilo funcional e violação da Lei de Interceptações. Mas Jungmann é também questionado por ter recebido dinheiro de Dório Ferman, ninguém mais do que um alto executivo do banco Opportunity, de Daniel Dantas, preso pelo delegado Queiróz quando da deflagração da Operação Satiagraha.

A "doação", como alega o deputado, não coloca em xeque sua atuação na CPI dos Grampos, que investiga o delegado Protógenes. "Não entendo porque uma doação de pessoa física me desqualifique para estar na CPI", diz em entrevista a Terra Magazine. A afirmação de Jungmann é dada no dia em que uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo aponta que documentos apreendidos com Daniel Dantas indicam a doação de R$ 30,4 milhões a um partido.

- Não sei se é verdade. Isso veio ao meu conhecimento hoje e agora estou em reunião com o delegado Amaro Ferreira, da Polícia Federal, que investiga o caso.

Leia também:
» Protógenes gravou superior. CPI vaza como grampo
» Polícia Federal indicia Protógenes Queiroz por dois crimes
» Protógenes diz que vai explicar relações corruptas

Sobre os constantes vazamentos da CPI que investiga ironicamente outros vazamento do delegado Protógenes, o deputado Raul Jungman levanta seus suspeitos:

- Pode ser algum deputado, ou a justiça, ou a polícia... Ou será que foi a Kroll?

O deputado critica o "excesso de vazamento" da CPI da qual faz parte. E reitera que o indiciamento do delegado que comandava a Operação Satiagraha vai de encontro com seu pensamento sobre a CPI. E revela:

- A minha inconformidade, até raiva, com o delegado é que no fundo quem deveria estar na cadeia hoje fica rindo disso tudo. Ele terminou favorecendo a impunidade. Eu quero o Dantas na cadeia, mas dentro da lei. Porque se não for assim, não adianta bancar o justiceiro na lenda e fazer uma lambança na prática.

Leia a seguir a íntegra da entrevista:

Terra Magazine - O dinheiro recebido do Dório Ferman não coloca em xeque a sua atuação na CPI?
Raul Jungmann -
Não tem nenhuma ilegalidade. Isso é uma doação pessoa física. Sequer conheço o senhor Dório Ferman. Foi uma doação a pedido do Armínio Fraga que fez um almoço para que nos conhecêssemos, mas ele (Dório) não apareceu. Eu, enquanto pessoa física, não tenho nenhuma relação com os negócios do Sr. Daniel Dantas. Inclusive peço cadeia para ele. Não entendo por que uma doação de pessoa física me desqualifique para estar na CPI. Nunca estive com Dório, nunca falei com ele. E mais, meu voto foi pelo indiciamento de Daniel Dantas.

E o presidente da CPI dos Grampos, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), também recebeu financiamento...
Ele que fale pelo dele.

A Folha de S.Paulo hoje trouxe dados sobre uma doação de R$ 30,4 milhões a um partido. O senhor, que teve acesso às investigações, confirma isso? Qual é esse partido?
Não sei se é verdade. Isso veio ao meu conhecimento hoje e agora estou em reunião com o delegado Amaro Ferreira, da Polícia Federal, que investiga o caso.

Como avalia o número de vazamentos que aconteceram na CPI que investiga o vazamento do delegado Protógenes Queiroz?
Eu acho que há vazamentos em excesso. Isto é verdade. Acho que existem interesses muito fortes no que diz respeito ao resultado dessa CPI. O pior, neste caso, é que o vazamento está acontecendo de uma CPI que investiga vazamentos. O que temos que saber é a autoria do vazamento. Pode ser algum deputado, ou a justiça, ou a polícia... Ou será que foi a Kroll? Quem será que vazou? O caso da Veja é um exemplo...

Segundo os documentos a que o senhor tem acesso, o apresentado pela revista procede?
Pelo que eu vi até agora, a matéria foi baseada nos artigos do Protógenes e sobretudo nos próprios autos. Que eles existem, existem.

Por que essas informações não são tornadas públicas de maneira horizontal, mas sim a conta-gota?
Concordo em gênero, número e grau que deveria ter total transparência porque se não estimula a barganha, jogos e manipulações que influenciam a investigação. Para mim, tudo deveria ser tornado público, menos o que está em segredo de justiça, é claro.

A decisão de indiciar vem ao encontro do pensamento do senhor sobre a investigação da CPI?
Sim, vem ao encontro. Eu tinha profunda admiração tanto por Protógenes quanto por Lacerda, mas fiquei muito decepcionado. Eu vi com meus próprios olhos ele (Protógenes) dar um depoimento e depois a coisa ser diferente daquilo que ele havia declarado. Aí não tem quem segure. Ele não pode soltar uma nota dizendo que não se envolveu e depois, no depoimento que deu aqui em Brasília à Procuradoria, afirmar que obteve ordens do doutor Paulo Lacerda. Disse que não esteve com ele, mas tem dados da portaria eletrônica dizendo que sim, esteve três vezes conversando longamente com ele. Então, sinto muito. Lamento.

Lamenta?
Lamento também que o banqueiro Daniel Dantas fique rindo disso tudo e impune. A minha inconformidade, até raiva, com o delegado é que no fundo quem deveria estar na cadeia, hoje, fica rindo disso tudo. Ele terminou favorecendo a impunidade. Eu quero o Dantas na cadeia, mas dentro da lei. Porque se não for assim, não adianta bancar o justiceiro na lenda e fazer uma lambança na prática. Se tem interesses e gente comprada, vamos apurar isso aí.



Leia a cobertura completa de Terra Magazine sobre o caso:
» "Não sei quem fez grampo no STF", garante Félix
» Toda a dimensão da crise
» No meio do caminho tem uma pedra
» Mello defende juiz e ataca quebra ilegal de sigilo
» STF mantém habeas corpus para Daniel Dantas
» "Dantas se infiltrou no Estado", diz Protógenes
» Protógenes diz que Dantas é criminoso e psicopata
» PF faz busca na casa de Protógenes Queiroz em SP
» Dantas pediu para Mendes julgar processo em 2005
» Lacerda vai à CPI desfazer articulações de Dantas
» Deputado admite que CPI pode beneficiar Daniel Dantas
» Alvo de Daniel Dantas, Lula dizia: "É um escroque"
» Gravação expõe fratura na cúpula da PF; ouça
» Delegado: "Vou ouvir Dantas e na sexta relato inquérito"
» Delegado que prendeu Dantas é afastado
» FHC: Caso Dantas é batalha pelo controle do Estado
» Em diálogos, Daniel Dantas cita FHC na montagem de fundo
» Dantas ressuscita ACM para atacar ministro do STJ
» Bahia diz não ter recebido US$ 32 mi do Opportunity
» 'Gilmar Mendes agiu certo', diz criminalista
» 121 juízes demonstram indignação com Mendes
» Juíza que avisou de grampo pede: 'me esqueçam'
» Maierovitch: Gilmar Mendes está "extrapolando"
» Dantas: "Vou contar tudo! Detonar!"
» Pedro Simon: "Está na hora de rico ser preso"
» Mello: Ministros do STF não têm nada a esconder
» "O senhor está preso", diz delegado a Dantas
» Com prisão preventiva, um xeque-mate em Dantas
» Na madrugada, estratégia para a nova prisão Dantas
» Solto, Dantas é intimado a depor
» PF viveu guerra e espionagem para prender Dantas
» 50% dos presos esperam decisão dada a Dantas
» Dantas, um banqueiro da Coisa Nossa
» Advogado: Dirceu não tem relação com Daniel Dantas
» BrOi: emissários de Dantas tentam chegar a Dilma
» Celso Pitta recebia dinheiro vivo de Naji Nahas
» Inferno de Dantas - Um Raio X do Opportunity Fund
» Dantas-Nahas: Para entender a organização
» O inferno de Dantas
» Exclusivo: PF prende Dantas e organização criminosa

 
Valter Campanato/Agência Brasil
O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) é membro da CPI que investiga vazamentos do delegado Protógenes

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol