Terra Magazine

 

Terça, 5 de maio de 2009, 09h07 Atualizada às 10h37

"PT está tranquilo com Dilma", defende Berzoini

Valter Campanato/Agência Brasil
Ricardo Berzoini critica o ministro Tarso Genro: Se num debate político você perde a estribeira logo de cara, não é um bom caminho
Ricardo Berzoini critica o ministro Tarso Genro: "Se num debate político você perde a estribeira logo de cara, não é um bom caminho"

Thais Bilenky

Segundo o presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), o partido governista está confiante na candidatura à sucessão presidencial de 2010 da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil).

"Dentro do PT tem uma tranquilidade com o prognóstico dos médicos em relação à ministra Dilma, e a certeza de que ela estará disponível para ser nossa candidata. Quem especula são algumas revistas semanais, alguns jornais, cuja função principal é especular", critica.

Veja também:
» Opine sobre a articulação pré-eleitoral para 2010
» Lula convoca Sarney e Temer visando apoio em 2010

Berzoini camufla sua posição em relação à candidatura do ministro Tarso Genro (Justiça) ao governo gaúcho. Enquanto o presidente do Diretório Nacional for Berzoini - até início de 2010 -, as decisões regionais devem ser submetidas à direção, defende o dirigente partidário.

"Não há um debate de política de alianças em cada Estado separado, sem levar em conta o projeto nacional. Isso vale para qualquer Estado, não vale só para o Rio Grande do Sul. Essa é a opinião do Diretório Nacional", crava o presidente do PT.

O ministro Tarso Genro demonstrou insatisfação com as declarações de Berzoini, as quais classificou como "constrangedoras" e "ofensivas" ao PT gaúcho. Tarso chegou a cobrar desculpas do presidente do partido.

Nesta entrevista, Berzoini responde: "Este tipo de reação que ele teve é impróprio. Porque isso é um debate político. Se num debate político você perde a estribeira logo de cara, não é um bom caminho."

Terra Magazine - O presidente Lula afirmou que a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) era sua candidata à presidência, mas ainda não era a candidata do partido. Qual é o cenário nacional para a sucessão em 2010?
Ricardo Berzoini - O que o presidente Lula disse é que ela (a candidatura de Dilma) ainda não está formalizada, mas não há no partido nenhum tipo de óbice. Acho que há o sentimento de que ela (Dilma) é uma ótima opção para o PT e que possivelmente será nossa candidata.

No Rio Grande do Sul será mais proveitoso fortalecer a aliança com o PMDB em detrimento de candidatura própria do PT?
O Rio Grande do Sul deve debater sua realidade e o (Diretório) Nacional, no momento apropriado, vai debater o conjunto dos 27 estados.

O senhor disse que a discussão estadual era "informal".
Foi aprovado pelo Diretório Nacional o processo de eleição da nova direção com o congresso em fevereiro do ano que vem. Este congresso tem como objetivo central aprovar a política de alianças e a tática eleitoral. Portanto, qualquer discussão feita este ano deverá ser combinada com o debate nacional do PT. O que quer dizer que definições feitas este ano estarão sob júdice do Congresso Nacional do partido.

O ministro Tarso Genro (Justiça) cobra desculpas do senhor.
Acho que na política não é um bom caminho. Na política, opiniões são livres e democráticas e cada um exerce este direito da melhor maneira.

A sua opinião contraria os interesses dele em lançar-se candidato?
Não necessariamente. Este tipo de reação que ele teve é impróprio. Porque isso é um debate político. Se num debate político você perde a estribeira logo de cara, não é um bom caminho.

Há o entendimento de que a posição do senhor contraria a candidatura do ministro Tarso Genro no Rio Grande do Sul.
Isso é interpretação da mídia. O que eu disse é que é necessário no Rio Grande do Sul, como em todo Brasil, fazer um debate sobre a política de alianças locais em combinação com a nacional. Não há um debate de política de alianças em cada Estado separado sem levar em conta o projeto nacional. Isso vale para qualquer Estado, não vale só para o Rio Grande do Sul. Essa é a opinião do diretório nacional.

Outros quadros do PT gaúcho interpretaram de maneira diversa. Como o senhor avalia?
A interpretação que foi feita é subjetiva, não é uma interpretação objetiva. Agora, eu acho que o PT deve conversar com o PMDB em todos os estados. Conversar não significa fazer aliança, significa conversar. Conversar é próprio da política. Quando a gente conversa, a gente sempre avança; quando a gente não conversa, a gente não avança.

As reuniões vêm ocorrendo. Em Minas Gerais, se o governador Aécio Neves (PSDB) se lançar candidato à presidência, sobrará mais espaço para o PT?
Eu discuto esses assuntos, Estado por Estado, com a executiva do PT. Se eu discutir pelo jornal, certamente nossos adversários saberão nossa estratégia e trabalhar em cima dela.

Neste momento há especulação em relação à doença da ministra Dilma. Como o PT trabalha a questão?
A especulação só vem da imprensa, dentro do PT não tem especulação. Dentro do PT tem uma tranquilidade com o prognóstico dos médicos em relação à ministra Dilma, e a certeza de que ela estará disponível para ser nossa candidata. Quem especula são algumas revistas semanais, alguns jornais, cuja função principal é especular.

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol