Terra Magazine

 

Sexta, 22 de maio de 2009, 09h26 Atualizada às 11h48

José Aníbal: Vamos desmoralizar CPI contra Yeda

Wilson Dias/Agência Brasil
Líder do PSDB na Câmara, o deputado José Anibal (SP) diz que lamenta muito as assinaturas do DEM no pedido de CPI contra Yeda Crusius
Líder do PSDB na Câmara, o deputado José Anibal (SP) diz que "lamenta muito" as assinaturas do DEM no pedido de CPI contra Yeda Crusius

Diego Salmen

Dois dos três integrantes da bancada do DEM na Assembléia gaúcha assinaram, nesta quinta-feira, 21, o requerimento de instalação de uma CPI para investigar denúncias contra o governo Yeda Crusius (PSDB).

Para o líder do PSDB na Câmara, o deputado José Aníbal (SP), a participação do partido "não muda o fundamental" na aliança nacional entre as duas siglas. "Mas é um péssimo sinal", pondera. "Eu lamento muito; esperava que o DEM pudesse mostrar aos seus parlamentares estaduais que isso é uma insensatez".

Leia também:
» Ameaçado de impeachment, vice do RS defende contrato
» MP não deve investigar denúncias contra Yeda, afirma Tarso
» Wenzel: Renúncia não está no vocabulário de Yeda
» Simon diz para Yeda se benzer e cobra Procuradoria

Em março deste ano, o tucano paulista pediu a cassação do mandato da deputada Luciana Genro (PSOL-RS), que à época vinha denunciando um suposto caixa dois na campanha do PSDB ao governo gaúcho.

A coleta de assinaturas para instalar a comissão está sendo feita pela deputada estadual Stela Farias (PT). Para instalar uma CPI no Rio Grande do Sul é necessária a adesão de, no mínimo, 19 parlamentares estaduais. Até o momento, o requerimento conta com a rubrica de 17 deputados.

Pelo DEM, assinaram Marquinhos Lang e Paulo Borges, o líder da bancada - somente José Sperotto mostrou-se contrário à comissão. A adesão foi acelerada pelo que a bancada considera uma chantagem do PSDB.

Nesta quinta-feira, o deputado tucano Coffy Rodrigues acusou o vice-goverandor Paulo Feijó (DEM) de irregularidades na assinatura de um contrato e ameaçou pedir seu impeachment.

As críticas são respaldadas - e aprofundadas - por José Aníbal. "Ele (Feijó) é uma pessoa doentia e completamente desaquilibrada", afirma. "Sabe o que eles estão fazendo? Jogo político a favor do PSOL e do PT", ataca o deputado, que promete apoio integral do partido à governadora. "Vamos desmoralizar essa CPI", diz.

Segundo a revista Veja, a procuradoria do Estado possui áudios que comprovariam doações de R$ 400 mil "por fora" na campanha para a eleição de Yeda, em 2006. Os montantes teriam sido entregues pelas empresas Alliance One e CTA-Continental.

Não foi a primeira denúncia, contudo.

Em meados de 2008, Feijó rompeu com Yeda Crusius e divulgou diálogos em que o então chefe da Casa Civil, Cézar Busatto (PPS), sugere o uso de dinheiro público para bancar campanhas eleitorais.

O episódio resultou na queda de Busatto e do secretário-geral do governo gaúcho, Délcio Martini (PSDB).

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol