Terra Magazine

 

Quinta, 17 de dezembro de 2009, 16h04 Atualizada às 20h23

Após telefonema para Serra, Aécio desiste da presidência

Bob Fernandes

A decisão do governador de Minas Gerais, Aécio Neves, de não ser candidato à presidência da República em 2010 ganhou contorno de definitiva depois de um longo telefonema entre o governador de São Paulo, José Serra, que estava em Copenhague, Dinamarca, e Aécio, em Belo Horizonte.

Aécio já dava sinais de desistência há uma semana, mesmo quando uma pesquisa do Instituto Vox Populi indicava intenção de voto de 35% numa hipotética chapa em que o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) seria o seu vice.

Veja também:
» Aécio Neves retira pré-candidatura a presidente da República
» Justiça reabre processo por abuso de poder contra Aécio
» Vox Populi mostra Serra com 39% e chapa Aécio/Ciro com 35%
» Siga Bob Fernandes no twitter

A argumentação de Aécio para postular sua candidatura antes da desistência se baseava no que ele imagina ser sua capacidade de ser "mais amplo". O governador de Minas acredita que teria ao seu lado o PP, presidido por seu tio, o senador Francisco Dornelles (RJ), o PTB e o PDT.

Aécio supunha ainda que conseguiria tirar o PMDB, e os seus preciosos minutos no programa eleitoral gratuito, dos braços de Dilma Rousseff (PT). Ele sabia que não teria o PMDB ao seu lado, mas acreditava que, na convenção de junho, teria força para levar o PMDB a não formalizar uma aliança com a candidata de Lula.

Nesta tarde de quinta, há alguns minutos, tendo o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), ao seu lado, o governador de Minas leu uma nota onde historiou sua tentativa de ser candidato. Falou de sua movimentação pelo país, citou seminários do PSDB como uma busca para sacudir o partido, que agora se voltará para Minas, e anunciou que abria mão da sua candidatura.

 
José Cruz/Agência Brasil
O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB)

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol