Terra Magazine

 

Segunda, 19 de abril de 2010, 15h03

Diretor do Datafolha nega "fraude" em amostragem de pesquisa

Diego Salmen

Apoiadores da candidatura de Dilma Rousseff (PT) à presidência da República vem questionando a pesquisa Datafolha divulgada no final de março, segundo a qual o pré-candidato tucano José Serra liderava a preferência do eleitorado com um vantagem de 9 pontos percentuais (36%) sobre sua adversária (27%).

Em contraposição, levantamento do Instituto Sensus feito no início de abril apontou empate técnico entre os presidenciáveis, com Serra obtendo 32,7% das intenções do voto, ante 32,4% de Dilma.

Neste fim de semana, a polêmica suscitada pela discrepância ganhou novo fôlego na internet. O blog governista Os Amigos do Presidente Lula publicou uma série de posts revelando que a amostragem do levantamento realizado pelo Datafolha em março havia sido alterada em relação à mesma pesquisa realizada no mês anterior.

Segundo o blog, que foi reproduzido à exaustão na rede desde então, a "fraude" teria sido concretizada com o aumento do número de entrevistas no estado de São Paulo - reduto eleitoral de Serra.

"Na pesquisa de fevereiro o instituto fez entrevistas em 18 bairros na cidade de São Paulo", argumenta o blog. "Na pesquisa de março, o Datafolha elevou a pesquisa para 71 bairros na cidade de São Paulo. Porém, inexplicavelmente, não aumentou o número de bairros nem na cidade do Rio de Janeiro, nem em Belo Horizonte".

A Terra Magazine, o diretor do Datafolha, Mauro Paulino, nega que tenha havido fraude. E explica a mudança de amostragem efetuada entre um levantamento e outro.

"Sempre que nós colhemos as amostras para ter um resultado também por Estado, há aumento no número de entrevistas", diz. "Mas isso não significa que o resultado final não seja ponderado para que represente cada Estado".

Em outras palavras, afirma Paulino, o número de cidades paulistas na pesquisa aumentou devido à pesquisa sobre preferência eleitoral para o governo de São Paulo, feita paralela e simultaneamente ao levantamento presidencial. Quando se pondera a intenção de voto sobre essa nova amostragem, o cálculo é feito de maneira a não alterar o peso populacional específico de um determinado Estado.

"Mesmo que tenha aumentado o número de entrevistas feitas em São Paulo, o peso atribuído a cada uma delas é proporcional ao número de eleitores no Estado de São Paulo", esclarece. "Só haveria uma distorção se você não ponderasse os resultados de acordo com o peso eleitoral de cada Estado", completa.

Veja também:
» Serra tem 38% de preferência e Dilma, 28% em pesquisa Datafolha
» Datafolha desqualifica pesquisa Sensus, diz porta-voz de Serra
» Dilma minimiza Datafolha e diz que pesquisa é "momento"
» Siga Bob Fernandes no twitter

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol