Terra Magazine

 

Sexta, 17 de dezembro de 2010, 17h03 Atualizada às 17h16

Entidades pedem que MP investigue venda de terreno municipal

Marcela Rocha

Quatro entidades ligadas à preservação urbana representaram nesta sexta-feira (17) junto ao Ministério Público do Estado de São Paulo contra a prefeitura da capital. O documento pede que o órgão investigue a venda de terrenos municipais na região do Itaim Bibi à iniciativa privada.

A prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, apresentou a proposta de vender uma área pública no Itaim Bibi em troca da construção de duzentas creches na periferia da cidade.

As entidades que assinam a representação são: Preserva São Paulo, Grupo Memórias do Itaim Bibi, Movimento Defenda São Paulo e Sociedade Amigos do Itaim Bibi. Juntas, estudam também o tombamento da região. Para isso, seria necessário apresentar a proposta ao Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Para Jorge Eduardo Rubies, presidente no Preserva São Paulo, este processo de venda do quarteirão é "estranho e absurdo porque se trata da venda de um espaço público da melhor qualidade, uma área verde muito importante para a comunidade". E acrescenta: "a arquitetura é modernista, dos anos 1950. A nosso ver, é significativo por ser um patrimônio publico".

A região - que fica entre as ruas Cojuba, Lopes Neto, Salvador Cardoso e Avenida Horácio Lafer - abriga, além da APAE, uma biblioteca pública, uma escola infantil, uma creche, uma unidade de saúde e um teatro.

A assessoria de imprensa da Secretaria informou a Terra Magazine que o projeto ainda deverá ser aprovado pela Câmara Municipal. Depois, seria aberta uma licitação para buscar investidores que aceitem construir as creches pela cidade. O vencedor teria liberdade para construir no espaço dos terrenos que forem desapropriados no quarteirão do Itaim.

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol