Terra Magazine

 

Terça, 12 de abril de 2011, 14h03

Soneto da morte

Reprodução
Detalhe de La mort de Casagemas (1901), quadro de Pablo Picasso
Detalhe de "La mort de Casagemas" (1901), quadro de Pablo Picasso

João Carlos Teixeira Gomes

Olhei a minha cara e vi a morte
Nela estampada, sem bijuterias.
E disse para mim: - Terna consorte,
ó verduga amorável dos meus dias.

Não julguei desprovida a minha sorte
no embalo de veludo das mãos frias
e senti que era doce o canto forte
com que ela me envolveu em melodias.

Ó estranha mulher, sempre ultrajada,
verde morte de rude olhar tristonho,
riso discreto em face escaveirada,

quanto mentem por ti humanos medos,
pois não passas, enfim, de um longo sonho
ou o portal dos mágicos segredos.

João Carlos Teixeira Gomes é escritor, jornalista e membro da Academia de Letras da Bahia. É autor de "Gregório de Mattos, o Boca de Brasa", "Glauber Rocha, esse vulcão", "Memórias das Trevas" e "Assassinos da Liberdade".

Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais de Terra Magazine.

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol