Terra Magazine

 

Segunda, 24 de abril de 2006, 17h15

Delegado quer indiciar Yasbek e ouvir Dantas

Bob Fernandes

Mais um capítulo na novela da maior disputa societária da história do país. Novela que nasceu há mais de seis anos numa briga entre o maior acionista do banco Opportunity, Daniel Dantas, e seu ex-sócio em um dos negócios do grupo, Luis Roberto Demarco.

Esse micro-embate terminou por alimentar outras frentes de batalha. Daniel Dantas x Fundos de Pensão do Brasil e Daniel Dantas x Telecom Itália entre as mais ruidosas. Anos depois, desentenderam-se também Dantas e seu maior parceiro, o Citibank. Agora, na 14ª delegacia de São Paulo, um pedido de indiciamento que conecta os casos.

O delegado Marcel Luiz de Campos determinou que "seja novamente intimada a investigada Maria Regina Yasbek para formal indiciamento".

Maria Regina Yasbek é ex-mulher de Demarco. Em maio de 2001, já ex-mulher, instaurou-se esse inquérito na 14º para apurar o roubo de quatro mil e-mails do empresário Luis Roberto Demarco, dono da InternetCo Investments. À época o diretor de informática da empresa, José Luiz Galego Junior, foi indiciado por furto, invasão de privacidade e violação de sigilo telemático.

A ex-mulher de Demarco, Maria Regina Yasbek, empresária, proprietária da Movicarga, foi investigada no mesmo inquérito. Foi pedido seu indiciamento, ela não obteve habeas corpus, mas um promotor arquivou o processo. Demarco e a InternetCo pediram a reabertura, concedida pelo tribunal em 14 de fevereiro de 2005.

O indiciamento formal de Regina Yasbek, pedido pelo delegado Marcel Luiz de Campos, é acompanhado de outra providência: "Havendo notícia nos autos de que o material interceptado (os e-mails de Demarco) foi utilizado pela empresa Opportunity em processo no exterior (Demarco X Dantas, na corte britânica das Ilhas Cayman), determino expedição de carta precatória para a Polinter no Rio de Janeiro para que possam ser ouvidas as pessoas de Daniel Valente Dantas e Verônica Dantas."

As conexões não se encerram por aí. No dia 2 de maio, às 13 horas, Daniel Dantas deve depor na 5ª vara federal, em São Paulo, num processo onde é denunciado por corrupção ativa, violação de sigilo e formação de quadrilha.

Esse processo corre por conta do caso Kroll, empresa multinacional de investigação. A Kroll é acusada de, numa operação conhecida como Tokyo, ter espionado diversos membros do governo Lula.

Entre outras ações, teria interceptado correspondência eletrônica do então ministro Luiz Gushiken. Exatamente aí surge o nexo entre todos esses processos, pois nos e-mails encontrados dentro do Projeto Tokyo, da Kroll, estavam os trocados entre o ministro e o empresário Demarco. Os e-mails entre Demarco e Gushiken, furtados dos computadores de Demarco em 2001, ao surgirem anos depois no esquema de espionagem Kroll-Tokyo se constituiram num elo de ligação.

 

Terra Magazine América Latina, Veja a edição em espanhol