foto: reprodução

A recusa de Vitor Belfort a enfrentar o americano Tim Kennedy provocou a ira do presidente Dana White, que deixou por conta do sócio-proprietário Lorenzo Fertitta o encargo de negociar a próxima luta do brasileiro no octógono.

“[...]Em primeiro lugar, o Vitor está desafiando o Chael, mas o Chael nem lutou ainda. Chael vai lutar contra o Shogun [no dia 17 de agosto, em Boston]. Vitor me leva à loucura. O Lorenzo pode lidar com ele, não eu” – disse o mandatário.

Dana não sabia do desafio de Belfort a Chael Sonnen e se irritou por ele ter tentado obter a luta por si próprio, enquanto a organização deseja que ele lute mais uma vez no Brasil, sob a escusa de que o povo brasileiro o quer em ação no País.

Ao saber que The Phenom não enfrentaria o ex-lutador do Strikeforce, White sugeriu que ele enfrentasse Rashad Evans na categoria meio-pesado, mas o atleta da Blackzilians também se nega a encarar um companheiro de equipe.

“Eu não vou lutar com o Vitor, não vou lutar com o Thiago Silva, não vou lutar com o Cezar “Mutante” Ferreira, ou com qualquer um com quem treino. Eu cometi esse erro antes e não farei isso de novo. Perdi muitas relações porque fiz isso antes”, disse Suga à ESPN.

Rashad se refere ao ex-companheiro Jon Jones, contra quem disputou o cinturão até 93kg. Eles eram amigos e treinavam com o renomado Greg Jackson, de quem Evans se afastou quando o técnico optou por treinar Johnny Bones.

Apesar do estremecimento da relação com o presidente do UFC, Vitor Belfort manteve sua palavra e garantiu que não vai lutar contra qualquer peso médio que não seja o campeão, mas se colocou à disposição do Ultimate para lutar com 93kg ou em peso combinado.

Siga o blog Mano a Mano no twitter@EduardoCruzMMA